GUARDA RESPONSÁVEL DE ANIMAIS

Veja algumas informações para você cuidar melhor de seu pet. Conheça alguns princípios básicos da Guarda Responsável

    Antes de tutelar um animal, isto é, ter um pet sob sua guarda, considere que seu tempo médio de vida é de 15 anos. Pergunte à família se todos estão de acordo, se há recursos disponíveis para mantê-lo e verifique quem ficará cuidando do animal nas férias ou durante feriados prolongados. Ninguém é obrigado a ter animal de estimação, entretanto, ao fazer esta escolha assume-se as responsabilidades pelos cuidados necessários a seu bem-estar. Este é um princípio básico da Guarda Responsável.

    Adote animais de abrigos públicos e privados (vacinados e castrados), em vez de comprar por impulso. Prefira sempre adotar a comprar um animal. Ao adotar, luta-se não só contra o abandono, mas contra o comércio de animais praticado por criadores, que se perfaz à custa de extrema crueldade. É preciso ter consciência de que adquirir um animal de criador implica, necessariamente, patrocinar o abusivo comércio de animais.

    Informe-se sobre as características e necessidades da espécie escolhida: tamanho, peculiaridades e espaço físico. Escolha o animal que possua características de comportamento e de tamanho condizentes com o espaço de que dispõe e com os seus próprios hábitos.

    Mantenha o animal sempre dentro de casa, jamais solto na rua. Porém, não deixe-os presos em corrente ou trancados por longos períodos em canil. Passeios são fundamentais, mas apenas com coleira/guia e conduzido por quem possa conter o animal. 

    Cuide da saúde física do seu pet. Forneça abrigo limpo, alimentação em qualidade e quantidade adequados, água sempre disponível, vacinas e leve-o regularmente ao veterinário. Banhe-o, escove-o e o exercite periodicamente. Vacine-o anualmente contra raiva a partir dos 04 (quatro) meses de idade e contra as demais doenças (vacina V8), a partir dos 60 (sessenta) dias de vida. Combata pulgas e carrapatos com a aplicação regular de produtos veterinários para esse fim, e, com a orientação do veterinário, dê a ele medicação para prevenir vermes.

    Zele pela saúde psicológica do animal. Desde filhote, acostume-o a todo tipo de estímulos (sons, cheiros, pessoas e animais) e não esqueça que, nesta fase, eles exigem mais paciência e cuidado que os animais adultos. Dê-lhe atenção, carinho e ambiente adequado. Não o abandone em caso de doença, idade avançada, viagem, agressividade ou em qualquer outra hipótese. 

    Eduque o animal, se necessário, por meio de adestramento, mas respeite suas características e jamais submeta-o a maus-tratos, nem sob o pretexto de educá-lo. Estabeleça limites e recompense o cão quando ele fizer algo bom. Responder a comandos ajuda-o a se manter seguro caso ele escape de sua guia, por exemplo.

    Ao passear, recolha e jogue os dejetos em local apropriado. Passear com o animal é importante para que ele se exercite, mantendo-o sempre preso à coleira e à guia para evitar fuga, atropelamento, ataques a outros animais, etc. Grave seus dados de contato na placa de identificação presa à coleira.

    

    Castre os machos e fêmeas. A castração (talvez linkar para a página sobre castração no site) é a única medida definitiva no controle de procriação e não tem contraindicações. Providencie para que seja o animal, macho ou fêmea, esterilizado a partir dos 05 (cinco) meses de idade, para evitar crias indesejadas que resultam em abandono e em superpopulação de animais.
 
    Dê afeto e atenção ao animal. Proporcione-lhe conforto e espaço adequado. Áreas descampadas, estacionamentos e garagens não são recomendáveis para animais. Amenize-lhe a sensação de frio, por meio de roupas e cobertores. No verão, troque mais vezes sua água e certifique-se que seu abrigo é bem arejado. Animais sentem frio e calor assim como os humanos. 

Por fim, lembre-se: a vida deles depende de sua responsabilidade.

APRABLU - Associação Protetora de Animais de Blumenau - © 2018 - Todos os direitos reservados.

Site desenvolvido pelos voluntários da ONG.